Postado em 17/09/2019 às 14:34

Economia no DF cresce 1,7% no segundo trimestre

Com recém-lançada versão mobile e novo layout, site oferece dados sobre diversas áreas, como educação, cultura, saúde, trabalho e segurança

 

 

 

 

 
 

 

Pouco a pouco, a economia do DF vai dando sinais de recuperação. O Índice de Desempenho Econômico do Distrito Federal (Idecon-DF), que mede a variação do nível de atividade da região, registrou no segundo trimestre do ano (abril/maio/junho) uma alta de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. 

 

Segundo o Boletim de Conjuntura do DF, elaborado pela Codeplan, é o segundo trimestre consecutivo que o indicador aponta variações maiores que as do PIB do Brasil, que no mesmo período acumulou variação de 1,0% (veja gráfico). 

 

Pouco a pouco, a economia do DF vai dando sinais de recuperação. O Índice de Desempenho Econômico do Distrito Federal (Idecon-DF), que mede a variação do nível de atividade da região, registrou no segundo trimestre do ano (abril/maio/junho) uma alta de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. 

 

Segundo o Boletim de Conjuntura do DF, elaborado pela Codeplan, é o segundo trimestre consecutivo que o indicador aponta variações maiores que as do PIB do Brasil, que no mesmo período acumulou variação de 1,0%. 

 

Entre os responsáveis pelo ‘empurrão’ na economia distrital estão atividades como a agropecuária, com variação positiva de 2,8%; serviços, com 1,8% e; indústria, com 0,9%. 

 

Nesta última, o destaque é o segmento da construção civil: esse setor específico, que desde 2013 sofria com o mau desempenho econômico, agora registra uma leve recuperação de 0,1%.

 

“Foi um primeiro semestre positivo para a economia do Distrito Federal. Entre os destaques está a construção civil que, após um longo período de retração, apresentou uma pequena recuperação. É importante essa retomada, pois a construção civil representa mais de 50% da indústria do DF e move boa parte da economia”, explica o presidente da Codeplan, Jean Lima.

 

O engenheiro civil Lorymer Araújo confirma a melhora no mercado. “Sem dúvidas, as coisas estão menos difíceis, principalmente porque o governo está fomentando o desenvolvimento do setor”, afirma. Ele detalha uma série de obras, como as de infraestrutura em Vicente Pires e revitalizações pontuais no Plano Piloto. “No início desse ano, eu sozinho contratei mais de 150 pessoas”, detalha o empresário.

 

A empresa dele ganhou a licitação da reforma da 511/512 Sul, cujos trabalhos estão em estágio de finalização. “Estou vendo o empenho não só do GDF, como também do BRB, que promove linhas crédito. Todos estão alinhados para colocar a roda pra girar”, acrescenta.  Lorymer explica que não esperava que a dinâmica do governo seria tão eficiente. “Tenho um sentimento de que até o comércio melhorou. A gente observa que as pessoas estão comprando mais”, conclui.  

 

O sentimento de Lorymer também pode ser comprovado pelos estudos da Codeplan. Eles mostram que o setor de serviços se fortaleceu nos últimos meses e, se tornou, um grande aliado com reflexos positivos na economia local. Responsável por 94,9% da movimentação econômica do DF, a trajetória ascendente do segmento se deve principalmente ao comércio, que registrou crescimento de 1,9% no trimestre (março/abril/junho), depois de três trimestres de queda desde 2018.

 

Agropecuária

 

Só na comparação com dos segundos trimestres deste ano com o de 2018, a elevação na Agropecuária foi de 2,8%. As culturas de feijão e de milho foram os destaques da produção local tanto no primeiro quanto no segundo trimestre de 2019.   

 

No Brasil, a agropecuária mostrou leve alta de 0,4% no trimestre, resultado de aumentos na produção de algodão herbáceo e de milho, e de quedas na produção arroz e café, e de um bom desempenho da pecuária.

 

A produção de soja também variou positivamente, ainda que pouco. No entanto, esse produto específico – assim com os outros preponderantemente do setor primário – teve queda nas exportações. 

 

Aliás, as exportações mostram, segundo técnicos da Codeplan, uma situação mais preocupante: houve queda de 50% no segundo trimestre de 2019, quando comparado ao mesmo período de 2018. Com esse resultado, a queda do semestre chegou a 51% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

 

 
 

Fonte: Agência Brasília

 
 

Atualizado em 17/09/2019 às 15:00

 
  •  
  • ENDEREÇOS
  •    Secretaria de Economia do Distrito Federal
  • Anexo do Palácio do Buriti
  • 10º andar, sala 1001
  • CEP: 70075-900
  •    Protocolo Central
  • Protocolo Central Ed. Anexo - Palácio do Buriti, Térreo, sala 106 - Brasília - DF
  • CEP: 70075-900
  • Central 156 (Distrito Federal)
  • 0800-644-0156 (demais localidades)
  •  
  • Acesso à Informação