Postado em 27/09/2017 às 17:31

Setor produtivo volta a ter Financiamento Especial para o Desenvolvimento

Criado em 2003, programa estava inativo desde 2010 e foi reativado em maio pelo governo do DF. Primeiras beneficiadas são duas empresas de distribuição de alimentos e uma de material de construção

 

 

 

 

 
 

Após vários anos de inatividade do Financiamento Especial para o Desenvolvimento (Fide), o governo de Brasília voltou a conceder créditos por essa linha, destinada a fomentar os investimentos do setor produtivo.

Reativado em maio pelo governador Rodrigo Rollemberg, o Fide foi criado em 2003 e estava desativado desde 2010. Seu objetivo é dar incentivos para empresas atuantes no Distrito Federal que precisem fazer transações com outras unidades da Federação.

Duas empresas de distribuição de alimentos e uma do atacado de material de construção vão receber cerca de R$ 10 milhões em crédito para ter dinheiro em caixa para investimentos. O recurso vem do Fundo de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal (Fundef).

Essas empresas entraram com pedido de crédito em 2012, quando o Fide já estava inativo. Por determinação de Rollemberg, o secretário de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia, Antônio Valdir Oliveira Filho, trabalhou para retomar o financiamento.

Pelas regras do Fide, os comerciantes terão 30 anos para pagar o empréstimo, com juros de 0,1% ao ano. Com a aprovação do crédito, a liberação do dinheiro está nas últimas etapas. A previsão da Secretaria de Economia é que tudo esteja pronto em até 30 dias.

O acesso ao Fide começa com apresentação de requerimento, mais projeto de viabilidade técnica, econômica e financeira, somado aos documentos exigidos no Decreto nº 37.892, de 27 de dezembro de 2016, e ao de retomada do financiamento.

O decreto exige regularidade fiscal junto ao governo de Brasília, à Receita Federal, ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e de débitos trabalhistas. Requer ainda declaração de que os sócios não respondem por crimes contra a ordem tributária e comprovação de regularidade cadastral no governo e na Receita.

Após a habilitação, as parcelas do financiamento podem ser requeridas até o dia 10 de cada mês, mediante requerimento em modelo definido pela secretaria, instruído com as certidões exigidas e com os comprovantes de depósito das garantias e dos emolumentos previstos.

 
 

Fonte: AGÊNCIA BRASÍLIA

 
 

Atualizado em 22/10/2018 às 17:19

 
  •  
  • ENDEREÇOS
  •    Secretaria de Economia do Distrito Federal
  • Anexo do Palácio do Buriti
  • 10º andar, sala 1001
  • CEP: 70075-900
  •    Protocolo Central
  • Protocolo Central Ed. Anexo - Palácio do Buriti, Térreo, sala 106 - Brasília - DF
  • CEP: 70075-900
  • Central 156 (Distrito Federal)
  • 0800-644-0156 (demais localidades)
  •  
  • Acesso à Informação